''Fechar-se não está com nada , as pessoas são sempre o que de melhor existe .''
(Caio F. Abreu)

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Carta a um coração amargo



Obrigada por não telefonar, por fingir esquecer meu gosto e fingir mais ainda que me tenha desgosto. Obrigada por jogar tudo fora, por não saber persistir quando eu mais precisava, por não sentar ao meu lado e beber um café. Obrigada por ter tido coração amargo, por não ter me desejado ou, como eu bem sei, ter fingido seu desapego. Obrigada por matar meus olhares, queimar minhas fotos e jogar fora os meus presentes. Ou fingir. Ou negar. Ou, por simplesmente não saber esperar e exigir o mesmo de mim. Obrigada por não ter sido paciente, por não respeitar meus limites e mais, por me culpar. Meu desabafo é sincero, é do fundo do coração, que depois de tanto tempo pela primeira vez eu tenha tido coragem de agradecer a falta que me fazes e ainda mais o modo com que tratastes os meus temores.
Obrigada por ter mentido, por ter negado, por ter deixado de lado todos os meus abraços. Obrigada por ter tido coragem de brigar, de visitar e de me amar. Ironia dos meus pensamentos, pensar que passando todo esse tempo tu virias me encontrar. E agradeço, apesar de tudo. Digo-te com todas as palavras possíveis: OBRIGADA! Por ter tido medo, covardia e, ainda mais, por ter deixado de lado todo o passado e nem procurado os meus olhares que de lágrimas ardiam ao pensar em ti. Obrigada.
Obrigada, agora sincera, por tudo o que proporcionaste a mim quando em um dia de sol esteve aqui ao meu lado e envolveste meu pequeno corpo com seus braços polvo. Obrigada por ter dado carinho, por ter sido sincero e principalmente por ter me feito sorrir e não somente chorar. Obrigada por deitar no meu abraço, por me mostrar o caminho e depois ir.
Chorando dei-te adeus, com gritos dentro de minha alma como se nada fosse passar. Passou. E hoje, digo-te obrigada. Agradeço os teus desejos e as tuas palavras. Acredite, eu esperei algo a mais. Tola fui eu. Muito obrigada por tudo e juro, vai passar e eu ainda vou sorrir.
Ficarei sentada em meu coffe bar para tomar mais um amargo café, ler mais um livro de romance e ainda contar minha triste história àqueles que tenham paciência para escutar um coração machucado. Serei pouco breve, usarei argumentos sólidos e ainda acrescentarei palavras soltas para que eu me sinta leve e de alguma forma me culpe por algo teu e não sinta tanto ressentimento por ti. Cuspirei letras, embriagarei meus pensamentos com o amargor dos meus sentimentos completados com o gosto do café que tira de mim o teu. Vou ficar muda quando o choro rolar e vou deixá-lo até se acabar. Pode ser que assim eu sinta alívio.

6 comentários:

Naty Araújo disse...

Nossa... que emoção descrita em palavras.
Senti a dor de cada frase.
Profundo e tocante!

beijos

Naty Araújo disse...

Palavras tocantes.
Senti a dor dessa carta, enquanto lia.

Beijos

Dani disse...

Que post lindo... me lembrou uma música do Cazuza: "obrigado por ter se mandado"
Tudo passa mesmo, fique certa disso, não há dor que dure para sempre...
Adorei seu blog, to te seguindo.... Beijos

Thatiane Ferrari disse...

Oi Tassy

Estou passando para retribuir a visita e fiquei impressionada com vc, tão nova e tão cheia de coisas para falar. Me identifique muito com o seu último texto, Obrigada por nos presentear com ele !!! Um beijo

Galvão´s disse...

Parabens pelo texto,obrigado eu,por compartihar de seus pensamentos e amargura.
tem gente que realmente nao sabe amar.

lorrayne t. disse...

Muito bem escrito (: Lindo.

O amor vira a gente do avesso, o que está dentro aparece por fora ou se esconde por medo. O bom é tirar uma lição de tudo que acontece, seja boa ou ruim;

Related Posts with Thumbnails